Encontro em São Paulo!

Neste domingo, 13/12, a partir das 16h, receberemos, na Livraria, Bar & Café Patuscada, pessoas que acompanham os Escritores na Estrada em nossas jornadas e andanças. Um papo despretensioso sobre nossas viagens. Queremos compartilhar histórias, impressões, dar risada e dar abraços de final de ano. Puxem uma cadeira, aprumem a conversa.

O lugar não poderia ser mais bem pensado – a livraria, recém inaugurada, é do Eduardo Lacerda, quem capitaneia a Editora Patuá. O espaço pretende abrigar eventos culturais e tem um projeto aberto de crowdfunding para arrecadar fundos iniciais para colocar o projeto nos trilhos.

Fica na Rua Luis Murat, 40 em Pinheiros. Essa é a rua ladeia o cemitério da Cardeal Arcoverde. Assim, de ônibus é fácil de chegar pela Cardeal, Henrique Schaumann e Teodoro.

Estaremos lá a partir das 16h, sem muita hora para terminar.

Um grande abraço, até lá!

 

 

Português porteño

23135595859_8973a074d1_z

 

Conto de minha primeira viagem a Buenos Aires na última semana. Fui a trabalho, participar dos eventos de inauguração do escritório da Fundação Rosa Luxemburgo por lá. Os demais integrantes dos Escritores na Estrada estiveram comigo na palma da mão, mediados pelas wi-fi de cafés, praças, hotéis e na saudade.

23503614785_39f62f62c5_z
Madres de Plaza de Mayo, Casa Rosada ao fundo.

Bem, quando soube que ia pra Buenos Aires, a primeira pessoa que pensei em visitar foi o Cristian de Nápoli. Acho que o Cristian foi o primeiro poeta vivo hispanohablante que conheci de verdade. Isso já faz nove anos. Ele veio com o projeto da Eloisa Cartonera para a Bienal de São Paulo. Lembro ainda que o livro El Ring (Black & Vermelho, 2004) me causou bastante impressão. Encontrei-o ainda no Chile depois e muitas vezes em São Paulo, sempre organizando livros, eventos. Hoje o Cristian é grande tradutor do português. Enfim, era difícil imaginar uma Buenos Aires que não tivesse um alô pro cara.

Na lógica milongueira de idas e vindas, demorei para realmente tomar pé da cidade. Numa tarde de muita chuva, depois de ver as Mães da Praça de Maio e a saída da Marcha da Maconha que aconteciam vizinhas em frente à Casa Rosada, resolvi descer a Rua Bolivar com meus companheiros de trabalhos. Ensopados e risonhos como só estrangeiros sabem ser, chegamos a La Libre (Bolivar 646), livraria em San Telmo, onde o Cristian trabalha.

Vitrine da La Libre.
Vitrine da La Libre.

As roupas molhadas e os lamentos pelos resultados das eleições argentinas logo foram esquecidos pelo café brasileiro cheiroso, muitos livros de poesia expostos e os trabalhos mais recentes de tradução do cara: sua antologia premiada de Vinícius de Morais e um outro que fez agora, Cruz e Sousa: Prosas Selectas. Levei comigo ainda o livro de contos Darth Vader & Yo (Narración Imposible, 2015), depois digo o que achei.

A livraria tem muita coisa boa, de livros a plaquetes, projetos editoriais novos. Recomendo vivamente para quem estiver naquelas bandas.

23577965585_92520beba5_z
Joana e Zé em sua estreia na Feira de San Telmo, Colectivo Bu.

Tanto recomendo que, no domingo, na Feira de San Telmo, pertíssimo da livraria, conheci um casal lindo de poetas portugueses, que faziam sua primeira aparição na feira: Joana e Zé do Colectivo Bu. Logo recomendei que fossem lá, hehe.

A Joana e o Zé já moraram em Salvador e lançam esse projeto de divulgar poesia portuguesa em Buenos Aires. Armaram um cavalete, uma caixa e vendem heterônimos do Fernando Pessoa em envelopes caprichados e sorrisos na feirinha. Conheça mais o trabalho deles aqui. Ainda de San Telmo, só faltou mesmo conseguir tomar cerveja no bar Antares (Bolivar 491), recomendado por gente muito sábia das artesanais. Lotadíssimo. Ficou pra próxima.

.

EM BREVE: farei um post com traduções de poemas que escutei em uma leitura genial na livraria Mi Casa, projeto incrível capitaneado pela Nurit Kasztelan. A Nurit também é poeta e mantém uma livraria funcionando dentro de sua casa. Por lá, quem recebe as pessoas é uma gata persa lindíssima. Meu plano é solicitar aos poetas que leram alguns textos para que eu possa traduzir e compartilhar. Na melhor da vocação de atravessar pontes, espiar por um furinho no muro de Tordesilhas, que separa de forma triste tradições literárias tão bonitas.

Deixo vcs com a Orquestra Típica Sexteto Gato, que escutei por ali: ouça aqui.

..

P.s.: pergunta que não quer calar – será que a Editora Patuá estará ampliando o escopo dos negócios?

23495626091_8aa2c1b9cf_z

Flanerie Carioca & Grãos Imastigáveis

Depois de oito anos vivendo em São Paulo, volto a viver na minha cidade natal, o Rio de Janeiro. Fiquei com o meu coração literalmente partido, costurado com uma linha feita de ponte aérea de tanto amor pelas duas cidades. Nesses anos aprendi várias coisas, mas também desaprendi. São Paulo não é uma cidade muita afeita a flaneries – geralmente o paulistano cria seu bunker, sua bolha ideológica pessoal, e lá permanece. Isso não é uma crítica, é uma constatação. Não necessariamente pela falta de vontade, mas pelas circunstâncias geográficas – São Paulo é imensa – e político administrativas – aparentemente os governantes das últimas décadas não curtem o intercâmbio entre bairros diminuindo e extinguindo linhas de ônibus que sequer circulam durante a madrugada, fazendo essa experimentação ficar um pouco restrita.

A trupe de autores de Grãos Imastigáveis

Ao voltar para o Rio me instalei confortavelmente em um apartamento da Zona Sul carioca e paulistanamente não explorei muitos quilômetros além do meu umbigo. Em Copacabana eu tinha amigos, comida farta e barata, ciclovia, e um professor de stand up paddle com um corpo comparável as mais exuberantes maravilhas naturais da cidade, como o Pão de Açúcar, o Arpoador e o derriére da Valesca. Mas felizmente o Rio não perdoa os imóveis. Se você não circula, você perde. A cidade acontece in loco, ela tem gosto, tem cheiro, tem clima, atmosfera que precisa se experimentada para ser apreendida e compreendida. Sucumbi, desempoerei meus sneakers de oncinha e fui me aventurar para relembrar e reescrever a minha cidade, tomá-la de volta, recupar minhas memórias cheias de fantasmas adolescentes, festas e amigos que não existiam mais.

Descobri um templo budista na ladeira Saint Roman, entrada do Pavão Pavãozinho. Mais carioca impossível, no meio do sobe e desce de moto-táxis, policiais fortemente armados, crianças em uniformes escolares e ambulantes, fazer um Zazen no mais perfeito silêncio. Alex Castro, amigo e escritor que me apresentou a essa pérola. E foi só o começo. Uma pool party gay que aceita crianças em São Conrado, a Casa Porto do Raphael Vidal recebendo o melhor da cultura negra na região portuária, um bloco de carnaval em Paraty, um baile charme Madureira, uma cooperativa restaurante vegan no centro da cidade, um wi fi com expresso a preço justo na Urca, o melhor guioza da cidade na Praça Afonso Pena, Neymar, o distribuidor das quentinhas mais baratas do Rio alimentando os funcionários famintos da Gávea, uma suruba hipster no hotel Shalimar, um bazar feminista de troca de roupas no Grajaú e eu já estava me sentindo incorporada na cidade, como se o suor do 422 tivesse virado sangue e voltado a correr nas minhas veias.

Mas nada tinha me preparado para a última que me esperava.

Semana passada o Bando Editorial Favelofágico lançou o seu primeiro livro. Até aí, lançamento de livro no Rio de Janeiro consiste na mesma chatice blasé intelectual numa livraria na extrema Zona Sul, com vinho branco quente, castanhas com passas murchas e todo mundo querendo ir embora pro boteco da frente. Só que o bando é o bando, o bando é uma editora que fez uma residência criativa com autores de periferia e não estava lançando só um livro, estava fazendo um ato festivo e político no coração de Manguinhos.

Para quem não conhece o Rio, Manguinhos mais aparece nas páginas policiais do que nos cadernos de cultura. Nada mais injusto. O complexo de favelas tem a Agenda Cultural Mandela Vive que organiza eventos com artistas do complexo e de outras favelas, um dos saraus de poesia mais antigos da cidade, o Sarau Poético de Manguinhos, que lançou nomes como Celeste Estrela, um grupo de teatro com o seu próprio dramaturgo residente, Geraldo de Andrade. Artistas com um talento vivo, pulsante. Fora a Biblioteca Parque com uma programação permanente de exposições, peças, filmes. Bom, se você carioca, não sabia, fique sabendo.

Inteirada mais ou menos de como seria o lançamento, me meti num táxi na São Francisco Xavier carregando um buquê de rosas vermelhas e amarelas para parabenizar Janaína Abílio, amiga que iria lançar pela primeira vez seus contos na antologia do Bando Editorial Favelofágico. Mas antes de continuar, uma pausa para falar sobre Janaína.

Grupo Livre de Criação Literária presente!
Grupo Livre de Criação Literária presente!

No apartamento em Copacabana eu montei o Grupo Livre de Criação Literária. Um grupo exclusivo para mulheres, onde a literatura poderia ser exercida politicamente com a maior liberdade estética, temática, formal, possível.  No primeiro dia, todas aquelas mulheres chegaram tímidas e reticentes. Expliquei a proposta do grupo, e pedi para que elas lessem o material que trouxeram, mesmo que um trabalho ainda em processo. Janaína foi a primeira. Leu um conto curto do seu blog, um conto em primeira pessoa. Suas tranças caíam pelos ombros, seus óculos de armação lilás refletindo as letras do texto. Ao final, ela olhou para um grupo atônito, 9 mulheres com cara amassada e lágrimas na cara. Eu inclusa. De lá pra cá seu texto que já era bom, só melhora. E duas das sua protagonistas mais interessantes estão em contos do livro Grãos Imastigáveis, lançado naquele dia em Manguinhos.

Janaína Abílio, rainha da noite. <3
Janaína Abílio, rainha da noite. <3

Desci do táxi, e dei de cara com uma enorme lona de circo, amarela e azul, com luzinhas por dentro. Um palco, telão, crianças correndo pelo gramado, barraquinhas vendendo livros, cerveja, arroz com lingüiça. Na projeção o vídeo apresentava os autores da antologia. Janaína, de make metálico, calças de zebra e uma timidez não compatível com o seu talento recebeu as flores. Priscila Britto, outra integrante do grupo livre estava lá acompanhada de Vitor, seu namorado, que mais tarde revelou dominar a coreô de “Beijinho no Ombro”. Dançamos clássicos do funk ao som do DJ Buchecha, ouvimos trechos dos contos, comemos, bebemos, nos empolgamos com a curta apresentação de um grupo de rap feminino, o Ladies Gang, e saímos expulsos pelo temporal, que se avolumou, fez pingar água e estragou o equipamento de som. Tínhamos livros nas bolsas e a certeza que todo lançamento deveria ter um pouco de Manguinhos no coração. Seríamos autores mais felizes e provavelmente muito mais interessantes.

Para ler Janaína Abílio: www.egomettrica.wordpress.com