O que é preciso para ser escritor

o kit é de fácil aquisição:
um emprego medíocre,
um amor falido.
um amor furado,
um emprego banal,
que deixa a desejar.
uma paixão que valha quase nada
uma função que valha só o suficiente
apenas para manter-se à beira.
Apreço pelas beiras:
mise en abyme.
as nucas, as orelhas, as sombras
as memórias, os processos, os suspiros
os quases. é preciso se concentrar
nos contornos. saber tentar desenhar.
saber não conseguir desenhar.
O escritor é um sujeito que perde.
Um franco fracasso
mestre na arte de ainda ignorar.
Veja que para ser escritor
não é preciso quase nada.
E no entanto. E no entanto
é tão difícil. E no entanto,
nada. Somos tão avaros que
nem isso. Avaros, a ponto
de fingir ter tudo. Qualquer coisa
além de um amor falido,
um emprego medíocre.
Qualquer coisa que não
uma paixão pelos contornos
à beira da perda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *